VOLTANDO ÁS ORIGENS (Parte I)

This entry is part 1 of 7 in the series Palavra do Pastor - Márcio R Silveira

Vida de Oração 

images (5)

Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, avançada em dias, que vivera com seu marido sete anos desde que se casara e que era viúva de oitenta e quatro anos. Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.

(Ev. Lucas 2:36-38 Bíblia Sagrada)


Em apenas poucos versículos, Deus nos informa tudo o que precisamos saber sobre Ana, mulher piedosa que o amava. Aprendemos que:

Ana era viúva. Essa mulher conheceu o sofrimento por ter perdido seu marido sete anos após o casamento. Mas, permitiu que o sofrimento moldasse seu caráter e fortalecesse sua fé, dedicando o resto da vida servindo fielmente a Deus, de dia e de noite.
Ana era uma mulher idosa. Aos 84 anos, ainda aguardava a “redenção de Jerusalém”, o Messias, o Salvador, Jesus! Que grande bênção essa mulher recebeu quando Deus recompensou seus anos de fé permitindo que ela visse em carne e osso, a Esperança de Israel!


Como se deu esse acontecimento tão alegre? Quando Maria levou o pequenino Jesus ao templo para cumprir as exigências da lei, Deus inspirou Simeão a proclamar a missão de Jesus na história da humanidade e a profetizar sobre o ministério de nosso Salvador e sobre o sofrimento de Maria.
Logo em seguida à visão que Simeão teve a respeito de Maria, Deus inspirou Ana a concentrar-se mais uma vez no fato de que Jesus cumpriria as profecias e traria redenção ao mundo.
A vida de Ana nos oferece duas lições importantes.

Primeiro; vemos o fruto da fé duradoura. Fé “é a certeza de coisas que se esperam…” (Hebreus 11:1 Bíblia Sagrada ). Meus irmãos, a vossa fé permanece inabalável, não se apaga, não esfria, não vacila, enquanto você esperar em Deus a segunda vinda de Cristo.


Segundo; aprendemos uma lição sobre o encorajamento recíproco. Como devem ter calado fundo na alma transpassada de Maria as palavras de fé proferidas por Ana. Enquanto Maria carregava seu precioso bebê e meditava sobre a advertência de Simeão, Ana proferiu palavras de encorajamento que, com certeza, agiram como um bálsamo e acalmaram sua aflição.


Você têm procurado animar, encorajar e revigorar os abatidos? Proferir palavras de fé inabalável em Deus, no momento certo, aos que estão desanimados é uma verdadeira arte divina.


O apóstolo Paulo falou por todos nós quando declarou, com sabedoria, que “o nosso homem exterior” se deteriora (2 Coríntios 4:16 Bíblia Sagrada). A vida nos ensina que isto é verdade, o corpo se desgasta dia após dia. Porém, em seguida, Paulo apresenta o segredo para suportar esse declínio: “Contudo o homem interior se renova de dia em dia”.


Preste atenção ao que o eloquente William Barclay nos diz sobre esse segredo:
Ao longo da vida, a força física do homem declina, mas, por outro lado, a alma do homem se mantém em constante desenvolvimento. Os sofrimentos que enfraquecem o corpo do homem podem ser os responsáveis pelo fortalecimento de sua alma. Esta foi a oração de um poeta: “Permita que eu me torne cada vez mais encantador à medida que for envelhecendo.”


Do ponto de vista físico, a vida pode significar um declínio lento e inevitável que leva à morte. Porém, do ponto de vista espiritual, viver significa subir a montanha que leva à presença de Deus. Nenhum homem deve temer o avanço da idade, porque ele o leva mais para perto, não da morte, mas de Deus.
Certamente Ana foi uma mulher que se tornou mais encantadora à medida que foi envelhecendo. Aos 84 anos de idade e, sem dúvida, suportando as dores que chegam com a velhice, essa querida serva sabia aproximar-se de Deus: ela jejuava e orava continuamente.
Ana nunca deixou de orar. Quando a vida parecia sem sentido (sem marido, sem filhos e, talvez, sem meios de sustento), Ana orava.

Dia após dia, ela renovava sua mente e seu interior por meio da oração acompanhada de jejum.

Essa comunhão diária, contínua e fiel com Deus, a Fonte de toda força, possibilitou que Ana escalasse a montanha que leva à presença do Senhor. De fato, a fidelidade diária de Ana foi recompensada, porque viu Deus quando contemplou o menino Jesus. O Senhor e Salvador finalmente havia chegado!
Dia após dia, que você possa seguir os passos de Ana e olhar para o Senhor em busca de força e graça

Voltemos ás origens, voltemos a prática da oração.

Deus vos abençoe.

PALAVRA DO PASTOR

This entry is part 4 of 7 in the series Palavra do Pastor - Márcio R Silveira

02 - palavra pastoral Tempos Trabalhosos

Lembre disto: nos últimos dias haverá tempos difíceis.

(2Timóteo 3:1 Bíblia Sagrada)

O início deste capítulo está em conexão com o seu final, porque o mal que é referido no início tem o seu único antídoto na afirmação que é feita no final do capítulo, a saber, somente poderão prevalecer com Deus nos últimos dias trabalhosos de iniquidade, aqueles que têm sido aperfeiçoados espiritualmente pelo ensino das sagradas Escrituras. Somente aqueles que permanecerem na Palavra de Cristo poderão ter suas vidas edificadas sobre a Rocha. Timóteo não deveria estranhar o fato de haver na Igreja pessoas ruins, porque na rede do evangelho vêm tanto peixes bons quanto ruins, como se vê em Mt 22.47, 48. 
Jesus havia alertado os primeiros discípulos quanto ao fato de que se levantariam falsos profetas sedutores na Igreja, e que o Inimigo plantaria o seu joio nela, e nem por isso deveríamos ficar ofendidos com isto, pensando mal da verdadeira Igreja. Sempre há muita escória misturada ao ouro que não foi completamente refinado, e sempre há joio e palha misturados aos grãos de trigo, que estão sendo peneirados.
Então Timóteo deveria estar preparado e armado em seu pensamento quanto às coisas que deveria suportar com paciência e mansidão no seu trabalho de evangelista. Quando as pessoas passam a ter as características apontadas por Paulo no início deste 3º capítulo, pode ser dito que se trata de uma época difícil, porque exigirá Reforma na Igreja. Sendo dias de Reforma, serão dias trabalhosos que exigirão dos ministros muito poder, graça e paciência para a realização do trabalho deles. Eles se espantarão com a facilidade com que as pessoas serão visitadas pelo poder de Deus na Igreja, para logo depois saírem dando um mau testemunho, porque suas vidas não foram reformadas pela verdade. Se eles se opõem à sã doutrina, como poderão ser restaurados e renovados por Deus? Como poderão ser santificados pelo Espírito Santo ainda que ouçam bons sermões que lhes ensine a verdade, caso não se disponham a se consagrarem ao Senhor? De que adiantará ouvirem sermões se não estão dispostos a aplicar a verdade em suas vidas e lares? Então a consequência inevitável será a descrita por Paulo no início deste capítulo, onde se vê não apenas a desordem pessoal, mas inclusive a dos lares. É importante frisar que a expressão “últimos dias”, usada por Paulo se refere a última dispensação que é a do evangelho. São portanto, os dias do evangelho, e evidentemente à medida que o tempo passasse as condições difíceis se agravariam porque Jesus disse que a iniquidade se multiplicaria no tempo do fim. Paulo deixou Timóteo bem inteirado do fato de que até mesmo os dias do evangelho seriam dias trabalhosos e perigosos. Que ele não ficasse portanto na expectativa de que haveria uma época dourada na terra, onde a verdade prevaleceria completamente pela pregação do evangelho, porque isto não ocorrerá a não ser quando da volta do Senhor com grande poder e glória. Não será portanto a Igreja com o trabalho de evangelização, que trará paz e segurança eternas ao mundo, mas o próprio Senhor, pela força do Seu grande poder, quando da Sua segunda vinda.
Isto é muito importante de ser dito porque assim nenhum ministro criará falsas expectativas de que chegará o dia em que pelo seu trabalho, terá paz perfeita na Sua Igreja, e paz perfeita no mundo pelo trabalho de todos os demais ministros do evangelho. Ao contrário, antes que Cristo volte, a tendência é de que as dificuldades se multipliquem, e os ministros devem estar bem conscientizados disto, e não é por acaso que o conteúdo de textos como este desta epístola, seja encontrado como um alerta em várias passagens das Escrituras. O propósito do Espírito Santo ao nos ter revelado estas coisas não é o de gerar pessimismo, mas um posicionamento firme para perseverar no trabalho sabendo contra que tipo de inimigo teremos que lutar. Não é um inimigo do qual poderemos nos livrar definitivamente até que Cristo volte.
É um inimigo contra o qual devemos nos prevenir, de maneira a não perdermos a nossa paciência e mansidão pelo fato de vermos que ele sempre se fará presente na Igreja até que Cristo volte.
A propósito, os próprios pastores devem olhar por si mesmos, como Paulo disse aos presbíteros de Éfeso em At 20.28, isto é, eles devem cuidar e vigiar para não caírem eles próprios da sua firmeza de fé, em face destes dias trabalhosos.

Deus abençoe.

Márcio Reus Silveira.
Pr. Presidente IBCB-SL

ENTREGA TEU DIA AO SENHOR

This entry is part 3 of 7 in the series Palavra do Pastor - Márcio R Silveira

04

Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará. E ele fará sobressair a tua justiça como a luz; e o teu juízo, como o meio-dia. Descansa no Senhor e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos. (Salmo 37. 5-7 Bíblia Sagrada)

As palavras “entrega” e “descansa”, são de grande importância, pois formam o portal divino que você atravessa em seu caminhar diário com o Senhor. O seu bom pastor tem um propósito e ordem para cada dia de sua vida.

Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe, e no teu livro todas estas coisas foram escritas, as quais iam sendo dia a dia formadas, quando nem ainda uma delas havia.(Salmo 139. 16 Bíblia Sagrada)

– Você sabe o que aguarda você no dia de hoje?
– Amanhã?
– Ou semana que vem!?

Para alguns, cada novo dia é uma emocionante aventura na vida; para outros, a ideia de um outro dia ou uma semana inteira de solidão é quase insuportável. Alguns talvez estejam enfrentando uma época de importantes decisões que poderiam mudar o resto de suas vidas, bem, qualquer que seja a sua situação a maneira de começar o seu dia é ordenando-o diante do Senhor.

Não estou querendo dizer que devemos gritar ou ditar ordens para Deus, e sim que devemos colocar o nosso dia diante d’Ele ponto a ponto, pessoas, lugares, eventos, decisões…
Você precisa apresentar-se diante do Senhor a cada dia e dizer; “Jesus, gostaria de falar contigo sobre o dia de hoje”. Fale sobre o que acha que o dia envolverá ou trará, pois sempre há coisas inesperadas que acontecem conosco.

É por isto que aparentemente nunca terminamos tudo o que havíamos planejado. Ás vezes, nada do que planejamos é realizado. Neste caso, nos sentimos frustrados, derrotados, contrariados a final, dias infrutíferos podem ser desanimadores. Descobri, no entanto que com o passar do tempo, os dias “infrutíferos” podem acabar se tornando mais “frutíferos” do que pensávamos no princípio.

É necessário algum tempo para que as sementes cresçam e produzam frutos. É encorajador lembrarmos que Deus nunca é pego de surpresa por coisas “inesperadas”. Ele prometeu, de qualquer maneira que; …todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. (Rom 8. 28)

Os nossos planos e propósitos podem falhar, mas nunca os do Senhor, se ordenarmos nosso dia diante d’Ele. Amados esperem no Senhor confiem n’Ele e o mais Ele fará.

Um forte abraço, Deus vos abençoe.

  Márcio Silveira

Pr. Presidente IBCB-SL