TIRE AS ATADURAS (3/4)

This entry is part 3 of 4 in the series Tire as Ataduras

images (29)

…Maria, porém, ficou assentada em casa.

(Ev. João 11. 20b RC).

Declínio da fé, este foi o resultado da situação vivida por Maria.    Talvez ela tenha pensado “por que deixar aqueles que estão presentes aqui comigo, que vieram me consolar para atender Jesus. Pedimos a Ele que viesse, mas Ele ainda se demorou mais dois dias no lugar onde estava, não atendeu nosso pedido de socorro, não se importou com a vida de nosso irmão, por que eu deveria agora ir até Ele”.

Não! Não vou até Ele, vou permanecer aqui.

Decepção, frustração, dor e impotência, sentimentos que tem levado muitos cristãos a abandonarem a fé em Cristo Jesus.    Em geral pensamos estar fortes, firmes na fé, no entanto basta soprar um vento forte em nossa vida financeira, nossa saúde, ou em nossa família, no ministério, contrariando as nossas expectativas para então revelarmos nosso verdadeiro caráter espiritual.

Na estrutura humana existe o desejo de ser prontamente atendido, de individualidade quando se trata de suas próprias necessidades, de achar que as coisas devem ser do seu jeito, na sua hora.   Mas, e quando Deus não age conforme o que desejamos ou esperamos.   O que acontece quando a ação divina não é segundo nossa vontade; quando não alcançamos uma promessa contida na Palavra de Deus.   Desviamos-nos?

A final que tipo de fé temos em Deus.

A fé cristã não está baseada em milagres, tão pouco na prosperidade, ou em curas, menos ainda na auto satisfação de um individuo.   A genuína fé cristã gera um milagre único, que ocorre apenas uma vez na vida de uma pessoa, “o novo nascimento”, para que então possamos experimentar uma vida de intimidade com Deus por meio da observância prática de sua Palavra.   O verdadeiro cristianismo revela aos olhos do fiel que este não é o seu mundo, possibilitando por meio desta verdade que cada cristão possa se desprender de tudo e de todos, a fim de que esteja pronto para a grande promessa: a eternidade com Deus.

Eis a diferença entre a Igreja de nossos dias e a Igreja primitiva.   A Igreja primitiva cria em Jesus a ponto de desprender-se do mundo, despojando-se do seu próprio eu, de tal maneira que nem a morte podia lhes amedrontar, pois entendiam que esta apenas os levaria para mais perto de Jesus.    Por este motivo não valorizaram suas vidas, a final o homem só pode matar a carne, por causa desta fé foram levados ao martírio, feitos de espetáculo para os que vivem de forma natural ainda assim, diante da morte não negaram o nome de Jesus.

Hoje!   A Igreja vive para a solução de conflitos internos, buscando discípulos segundo uma visão denominacional, homens e mulheres que sejam fiéis ao abraçar a obra do ministério.

A Igreja primitiva desenvolveu no seu andar diário uma prática de comunhão com o Espírito de Deus, sua expectativa estava na volta de Jesus, já a Igreja de nossos dias vive em busca do milagre, da prosperidade, da satisfação pessoal, desejando receber neste mundo as bênçãos do Senhor.

Mesmo tendo aprendido aos pés de Jesus, a fé de Maria se mostra vacilante diante da perda de seu irmão.   Qual seria a sua reação se estivesse em seu lugar?   Imagine que você pede algo a Jesus, algo que considera de extrema importância e urgência, Ele por sua vez não soluciona a questão segundo o seu ponto de vista, qual será a sua reação.

Após falar com Jesus, Marta volta para sua casa e em separado diz a Maria, Jesus te chama.   Na verdade Jesus não chamou Maria, entretanto percebendo a situação espiritual de sua irmã, que amargava a dor da perda, a decepção e a tristeza, Marta achou por bem dizer-lhe, o mestre te chama.   Talvez ela tenha dito: Maria Independente do que estamos passando nossa esperança está na fé que temos em Jesus.   Ele me disse: Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá.    Ouvindo Maria a palavra de sua irmã, reúne o restante das forças que lhe sobraram a sai ao encontro de Jesus, crendo que Ele a confortará.

Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava e vendo-o, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. (Ev. João 11. 32 RC).

A questão na cena descrita não é a ressurreição de Lázaro e sim o fato de que sua fé está em declínio, sua alma está angustiada, repleta de culpa, pois seus sentimentos a fizeram rejeitar a fé, ignorando a Palavra de Deus: Jesus!

Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Maria não está pedindo a Jesus que ressuscite seu irmão, na verdade sua fala aponta para o motivo que a fez ficar naquela situação, por isto se joga aos pés de Jesus, reconhecendo sua impotência diante dos fatos que se sucederam, a final, por causa deles sua vida espiritual estava se esvaindo.

Jesus, pois, quando a viu chorar e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito e perturbou-se. (Ev. João 11. 33 RC).

Diante do sofrimento humano, Jesus moveu-se em espírito e perturbou-se, Jesus se compadeceu e disse: Onde o pusestes?    Ao observar Maria, que chora junto aos judeus que ali estavam; Jesus chorou. (Ev. João 11. 35 RC).

Chorou ao ver a dor, o sofrimento, o estrago que a perda de um ente querido causou na vida espiritual de Maria.   Aquela que um dia assentou-se aos seus pés provando as palavras da vida eterna,  agora estava ali em sua frente, envolta num rio de lágrimas e sofrimento, com sua fé totalmente abalada.

Não permita que as situações da vida, que circunstâncias naturais lhe roubem a fé; a vida que nos foi dada por Deus em Cristo Jesus.   Não importa o tamanho do problema, da perda, da dor, creia!   Jesus te ama e tem o melhor para você.

Faça como Maria, mesmo em meio a uma situação difícil, de um passo de fé.

Lança-te aos pés de Jesus, confia nEle e o mais, Ele tudo fará.

Disse Jesus: Tirai a pedra.

Continua…

TIRE AS ATADURAS (1/4)

This entry is part 1 of 4 in the series Tire as Ataduras

images (29)

E saiu o que estivera morto, ligado de pés e mãos com as ataduras, e o seu rosto envolto num sudário.  

Jesus lhe disse: Desliguem-no e deixai-o ir.

(Ev. João 11. 44 Vulgata Latina)

Em seu evangelho João descreve um acontecimento muito importante na trajetória ministerial de Jesus; a ressurreição de lázaro.   Importante por se tratar de um grande acontecimento público ocorrido na Judeia o que causou grande impacto no povo judeu acredita-se que este milagre foi decisivo para que os lideres religiosos tramassem a morte de Jesus, o que deveria ocorrer antes da páscoa.

O relato de João diz que Marta e Maria mandaram dizer a Jesus: Senhor, está enfermo aquele a quem amas. (Ev. João 11. 3 RC)

Normalmente pedimos ajuda quando detectamos que algo vai fugir do nosso controle, a doença de Lázaro certamente não era uma simples gripe ou dor de cabeça, algo que fosse corriqueiro naqueles dias.   Marta e Maria perceberam que aquela doença poderia matar seu irmão e por isto pediram socorro a Jesus, pois sabiam que o mestre poderia curá-lo.

Assim somos nós, quando achamos que há uma possibilidade (humana) lá estamos nós, mas ao percebermos que a condição humana se esgotou é por certo que o apelo será para aquele que criou os céus e a terra; Deus!   Na verdade isto é algo implícito no espírito humano, em algum momento da vida todo ser humano desejará voltar-se para o divino, o que se potencializa frente a situações de impotência humana.

Ao receber a notícia, disse Jesus: Esta enfermidade não é para morte, e sim para a glória de Deus, a fim de que o Filho de Deus seja por ela glorificado. (Ev. João 11. 4 RC)

Diz o texto que Jesus ainda se demorou dois dias após receber a noticia da enfermidade de Lázaro.  Bem, você esperava que Ele saísse correndo!   Em Jesus não há ansiedade, Ele sabe o que faz e tal como seu Pai tem controle, domínio sobre todas as coisas, por isto você pode ficar tranquilo a final Ele te ama assim como amava a “Marta, e a sua irmã, e a Lázaro”. (Ev. João 11. 5 RC)

De repente, Jesus se volta aos apóstolos e diz: Lázaro está morto, e folgo, por amor de vós, de que eu lá não estivesse, para que acrediteis. Mas vamos ter com ele. (Ev. João 11. 14b-15 RC)

Havia entre os apóstolos um temor em voltar a Judeia pelo fato de ser pública a intenção de matar Jesus por parte de alguns judeus, entretanto Jesus precisava despertar a Lázaro que ao contrário do que pensavam os apóstolos não estava dormindo, mas sim morto como Ele mesmo declarou.

O que ocorreu durante aqueles dois dias em que Jesus demorou!?

Permita que eu lhe ajude a entender um pouco mais esta história.

Certamente Marta e Maria olhavam a todo o momento para o horizonte partindo da porta de sua casa na expectativa de que Jesus aparecesse, no entanto Ele não apareceu.   O tempo foi passando e mesmo agindo com todos os cuidados possíveis o inevitável aconteceu, gritos ecoaram pela aldeia de Betânia partindo de sua casa, Lázaro está morto!

A cultura judaica nos permite dizer que após a confirmação de sua morte o corpo de Lázaro foi levado ao sepulcro e depositado sobre um lugar chamado por alguns de vestíbulo o que deve ter ocorrido nas primeiras vinte quatro horas uma vez que a decomposição do corpo se iniciava muito rápido devido ao calor da região. Neste local o corpo era limpo com água e ungido com óleos e aromas para então receber o processo de bandagem.   Marta e Maria se encontravam agora dentro de um sepulcro, com a difícil tarefa de preparar o corpo de seu irmão para o sepultamento.   Era costume, os judeus prepararem o corpo de seus mortos e o depositarem junto a uma fenda onde permaneceria por alguns meses ou anos, neste caso estaria apenas no sepulcro.   Segundo sua cultura, somente quando os ossos eram retirados de entre as bandagens e postos no que eles chamavam ossuário (caixa normalmente feita de pedra) é que o morto havia sido sepultado.

Marta e Maria preparavam-se para enfaixar o corpo de seu irmão, apenas uma pergunta ecoava em sua mente, por que Jesus não veio.    Jesus estava a trinta e três milhas de distância o equivalente a quatro quilômetros e vinte dois metros segundo a medida bíblica; por que Ele não veio?

As irmãs começam o processo de bandagem, cada faixa colocada representa a dor da situação ali vivida, talvez elas tivessem feito este processo durar mais do que o normal, pois acreditavam que o mestre iria chegar.   Horas se passam, Ele não chega e finalmente o corpo de Lazaro está pronto, havia ali com elas muitos judeus que vieram de Jerusalém para consolá-las, uma vez que Jerusalém ficava a apenas quinze estádios de Betânia, aproximadamente dois quilômetros e setecentos metros de distância.   Antes de rolar a pedra, uma última olhada, quem sabe Jesus está chegando.

Rolaram a pedra, lacrando a sepultura de Lázaro.

O lacre selou mais que um túmulo, selou a dor em seus corações.

Por que Jesus não estava entre os que ali vieram para ao menos consolar?

Por que Ele não veio?

A história de Marta e Maria retrata fatos que estão acontecendo neste momento com muitas pessoas.   Situações da vida que as levam para o interior de uma sepultura, não bastassem isto, devem ali vivenciar os últimos momentos de sua vida financeira, sentimental, a gravidade da doença que se desenvolve em seu corpo, perdendo com isto seus sonhos, seus projetos, sua esperança…

Muitos vivenciam este momento na vida de seu ente querido, participando direta ou indiretamente de suas perdas, vendo diante de si, que nenhum esforços humano valeu, nada impediu que o desenrolar da história fosse trágico e por isto, experimentam a sensação de impotência uma vez que diante de fatos não há argumentos.

Assim ocorreu com Marta e Maria, devemos lembrar que Maria tinha uma fé genuína, Marta por sua vez ainda dava os primeiros passos no entendimento das palavras de Jesus, ainda assim elas criam que Jesus poderia ter curado seu irmão.   Muitos cristãos se encontram vivendo este dilema, por que Jesus não curou.    Imagino que cada faixa, cada atadura que elas colocavam abria uma grande ferida em seus corações, a faixa da culpa, a faixa do questionamento, a faixa da desconfiança, a faixa da dor, a faixa da incredulidade, a faixa do desespero, a faixa da perda…

Por fim, o ser humano está envolto em ataduras.

Por que Deus me abandonou?   Nem meu melhor amigo veio me ajudar!

Por que nem o Pastor não me ligou?  O que eu fiz para merecer isto!

Por que as coisas não dão certo pra mim?   Será que Jesus pode me ajudar?

Será que realmente Deus me ama?

Por quê?   Porque tenho que passar por isto!

Ataduras!   Faixas que infelizmente nós colocamos quando vivenciamos situações que fogem ao controle, revelam nossa impotência, mexem com nossas emoções, provocam sentimentos e reações humanas que podem destruir a vida física e espiritual do ser humano.

Continua…

DIREITO ADQUIRIDO

This entry is part 15 of 24 in the series Reflexões I

REFLEXÕES

images (24)

Assim, o campo de Efrom, que estava em Macpela, fronteiro a Manre, o campo, a caverna e todo o arvoredo que nele havia, e todo o limite ao redor se confirmaram por posse a Abraão, na presença dos filhos de Hete, de todos os que entravam pela porta da sua cidade. (Gênesis 23. 3-4, 17-18 RC Ilumina Gold 2009)

O capitulo 23 do livro de Gênesis relata a morte de Sara esposa de Abrão e mostra o momento exato em que Deus cumpre sua promessa, a Palavra de Deus diz que Sara morreu em Quiriate Arba que é Hebrom situada na terra de Canaã.

Neste período Abraão era estrangeiro, (natural ou pertencente a país diferente daquele em que se acha) andando em terra que não lhe pertencia.

O capítulo citado não mostra uma nação, um povo, uma tribo, mas sim um homem chamado por Deus, portador de uma promessa, que peregrinava em terra alheia com sua família, num momento de dor, de angustia, de perda.

A morte de Sara impulsionou Abraão a pedir posse de um terreno para sepultura, o que resultou na conquista legal do primeiro território hebreu na terra prometida.

A perda de um ente querido e o reconhecimento de Abraão como príncipe de Deus por parte do povo de Hete foram os fatores que levaram o pai da fé a alcançar a posse legal de um território situado em Canaã, à terra prometida.

Devido à consideração Abraão poderia ter tomado aquele terreno, no entanto ele decide pagar por ele.    Da mesma forma Deus poderia dar, mas resolveu pagar o preço entregando seu Filho, “Jesus” a morte, e morte de cruz a fim de que, por seu sangue os pecados da humanidade pudessem ser remidos.   A fé e o reconhecimento de que Jesus é o Messias dá ao ser humano direito e posse legal sobre a promessa: a Salvação.

Não tínhamos direito sobre a promessa por sermos ímpios, gentios, mas por meio da fé em Cristo, Deus nos garantiu acesso à promessa; temos direito adquirido a eternidade.

Como num piscar de olhos, assim será a vinda do Senhor; orai, vigiai, para que o pecado não lhe assalte, roubando aquilo que realmente importa: a Salvação.

Lembre-se, você tem direito adquirido, pense nisto…

Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras.(1Tessalonicenses 4. 16-18 RC Ilumina Gold 2009)

“Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes”.

ΑΩ